Usamos cookies e outras tecnologias para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

MPE pede condenação de Gusttavo Lima por propaganda eleitoral irregular

A representação do Ministério Público Eleitoral pede que o cantor e o Frigorífico Goiás, que o sertanejo já foi sócio, paguem indenização de R$ 20 mil


Por Folhapress Publicado 04/10/2022
Gusttavo Lima
Ministério Público Eleitoral entendeu que Gusttavo Lima fez propaganda irregular para Bolsonaro – Foto: Redes Sociais

O Ministério Público Eleitoral, o MPE, pediu para o Tribunal Regional Eleitoral de Goiás que Gusttavo Lima e o Frigorífico Goiás, da qual o sertanejo já foi sócio, fossem condenados por propaganda eleitoral irregular.

Segundo o UOL, a representação indica que, em maio deste ano, o MPE foi noticiado de que um helicóptero da empresa estava adesivado nas cores verde e amarelo e com a mensagem “Bolsonaro Presidente” no heliponto da loja, em Goiânia. A representação pede ainda que o cantor e a empresa paguem uma indenização de R$ 20 mil.

Procurados pelo MPE, o cantor informou que ele tinha um contrato de uso de imagem com a Frigorífico Goiás, mas que não era dono da loja. Lima também informou que o contrato foi rescindido.

O Frigorífico Goiás é a mesma empresa que revendia a R$ 1.800 o quilo da “Picanha Mito”, em homenagem ao presidente Jair Bolsonaro. O cantor foi garoto-propaganda da empresa até a última semana de maio, quando decidiu se afastar.

O rompimento aconteceu pouco depois da CPI do Sertanejo, como ficou conhecida a série de cancelamentos de shows de Lima e de outros sertanejos com cachês milionários pagos por prefeituras de cidades pequenas do interior do país.

Foi a partir daí também que Lima passou a evitar conteúdo político em suas redes e a repetir o mantra “não falo sobre política”. Na reta final da corrida eleitoral, no entanto, ele chegou a declarar que vota “22” num show nos Estados Unidos.

✅ Quer receber mais conteúdo? Clique aqui e siga o Canal eLimeira Notícias no WhatsApp.